Escolas não deveriam voltar a ter aulas presenciais este ano, defendem estatísticos da UFPE


Professores do Departamento de Estatística  da UFPE defendem que as aulas só devem voltar de forma presencial no próximo ano. FOTO: YACI RIBEIRO/JC IMAGEM



Professores do Departamento de Estatística da UFPE, defendem que as escolas não devem voltar esse ano. Foi elaborado um documento para alerta a sociedade de modo geral sobre as possíveis consequências que ocorreriam se as aulas voltassem ainda esse ano .

“Acreditamos que não é uma boa hora a retomada em julho ou agosto. Creio que só em 2021, pois devemos ter um tempo para adaptar e melhorar essa situação (da curva epidêmica). O nosso documento representa o entendimento (sobre a retomada das atividades educacionais) de 19 dos nossos 29 professores. Consideramos desde o ensino infantil até o universitário”, diz a chefe do Departamento de Estatística da UFPE, Carla Monteiro.

O professor Gauss Cordeiro, acredita que a grande dificuldade é com as crianças menores de 5 anos, pois é bem difícil manter o distanciamento social. Não há condições de se fazer distanciamento de um metro e meio ou dois metros com os alunos. Eles não conseguem”, frisa Gauss, que é membro da Academia Pernambucana de Ciências.

As crianças, apesar de não serem do grupo de risco, também pode ser contaminada e pior, de forma assintomática, o que pode aumentar muito os casos de Covid-19. “Esse vírus, principalmente em ambiente com ar-condicionado, pode se deslocar por quatro metros e ficar no ar por algumas horas", afirma o professor. 

O documento diz que as gotículas geradas pela fala, espirro ou tosse, podem permanecer suspensas no ar e como as escolas são um a

mbiente fechado, muitas crianças acabariam se infectando e levando a doença para casa, afetando principalmente os pais e idosos que moram com elas. 

 Com informações Jornal JC